Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011

 

"O que é nacional é bom" – o slogan da Nacional poderia bem servir de resumo às conclusões do estudo “Marcas de Confiança 2011”, conduzido anualmente pela Selecções do Reader’s Digest.

 

Levado a cabo em 16 países europeus, incluindo Portugal, o estudo analisou os níveis de confiança dos consumidores nas marcas disponíveis no mercado, dividindo-as em 40 categorias – este ano, com três novidades: Estação de Rádio, Produtos de Higiene Oral e Produtos Lácteos.

 

Apesar da forte concorrência internacional, as marcas nacionais continuam a ser escolhidas pelos consumidores portugueses em muitas áreas das suas vidas, conclui este estudo. Fula (79% na categoria Óleos Alimentares), Delta (66% nos Cafés), Sagres (58% nas Cervejas), Galp (56% nas Gasolineiras), TMN (49% em Redes de Telemóvel), Worten (43% em Cadeia/Loja de Distribuição), Continente (41% em Hiper/Supermercados) e Caixa Geral de Depósitos (37% na Banca) são algumas das marcas que se destacam pelos elevados índices de confiança registados. Marcas como a Abreu, Luso, Sapo e Fidelidade Mundial também brilharam pelos bons resultados, recebendo o título de “Marcas de confiança”. No que diz respeito às novas categorias, também duas marcas nacionais conseguiram distinguir-se, nomeadamente a RFM (com 27% na categoria Estação de Rádio) e a Mimosa (26%, Produtos Lácteos). Algumas marcas viram mesmo aumentado o nível de confiança por parte dos consumidores, em relação ao ano passado, caso da Worten, Galp, Fula, Continente e Caixa Geral de Depósitos.

 

Para além de identificar as marcas mais amadas pelos consumidores, o estudo deste ano avaliou também quais os fatores determinantes na escolha das mesmas, distinguindo, entre estes, a influência dos filhos e o facto de a marca ser socialmente ativa. Quanto às características das marcas distinguidas, a Selecções do Reader’s Digest concluiu que os consumidores preferem marcas fáceis de usar (61%), amigas do ambiente (54%) e práticas (54%).

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

   



publicado por blatitudes às 16:08 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011

 

“O Facebook torna as marcas estúpidas” – este é o nome do artigo publicado por Benjamin Palmer, co-fundador e diretor executivo da agência criativa americana The Barbarian Group, na Adweek.

 

Analisando o comportamento das marcas na rede social mais popular do mundo, Palmer começa por compará-lo com “um esquema Ponzi: alguém no topo da pirâmide recebe imenso crédito e seguidores por ser a origem de um post ou link mas, à medida que o conteúdo vai sendo passado, o seu valor social vai decrescendo. Na altura em que o link se torna viral, todos aqueles a quem o possa passar já o viram”.

“Chegámos ao ponto em que ser o primeiro a publicar pode ser mais importante que o facto de o conteúdo ser, ou não, interessante ou relevante para os nossos amigos ou seguidores”, continua.

No caso específico das marcas, Palmer refere-se ainda à “enorme pressão para angariar um grande número de «gostos»”, o que pode levar a que as marcas esqueçam a importância de fazer algo realmente fascinante para a audiência.

Então, o que podem as marcas fazer para contrariar esta tendência? “Basicamente, não comece por pensar «o Facebook é importante, por isso precisamos de uma ideia para o Facebook», porque o mais provável é fazer qualquer coisa estúpida. Só porque alguém clica num botão chamado «gosto», não significa que eles gostem realmente de si; se calhar só estão atrás do cupão que está a oferecer. O digital reúne tantas plataformas e tecnologias diferentes, hoje em dia, que pensar em ideias que possam viver através destes múltiplos canais digitais, e focar-se menos no Facebook como eixo da ideia, parece um ponto de partida melhor. E, definitivamente, parece que o objetivo não deve ser acumular seguidores ou «gostos», mas transformar a sua marca em algo que vale a pena seguir”.

Poder ler o artigo na íntegra, aqui.

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

 



publicado por blatitudes às 15:43 | link do post | comentar

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

O que acontece quando uma embalagem “faz dieta”? A Pepsi tem-se visto a braços com uma intensa polémica desde que, recentemente, apresentou a nova lata de Pepsi Diet, na Semana da Moda de Nova Iorque. A “Skinny Can” (“lata magérrima”, se traduzirmos o nome para o português) é uma versão mais alta e fina da anterior lata, e foi concebida, segundo a própria Pepsi, como uma “celebração das mulheres bonitas e confiantes”. Uma analogia arriscada e que colocou a Pepsi no centro das atenções do público e de várias associações, entre elas a Associação Nacional de Distúrbios Alimentares americana, que já veio condenar a empresa pela nova embalagem e pelos seus comentários, ambos “irrefletidos e irresponsáveis. A Pepsi devia ter vergonha de declarar que a magreza deve ser celebrada”. Vários blogues também se apressaram a criticar a companhia americana por definir esta nova embalagem como “magra” e “atraente”.

A Pepsi, porém, afirma que a polémica já era esperada e desdramatiza a situação: “É a nova forma de um produto. Não estamos a falar da forma de uma mulher. Somos sensíveis a esta interpretação e essa não era, de todo, a nossa intenção. Pretendemos, sim, sublinhar o look inovador da Diet Pepsi e dar aos nossos fãs uma perspetiva dos eventos que celebram a inovação e o estilo”.

Entretanto, em entrevista ao Advertising Age, Eric Gustavsen, fundador da firma de criativos Graj & Gustavsen, sem qualquer ligação ao projeto, afirmou acreditar que esta polémica irá passar muito em breve: “É mais uma ideia divertida que a depreciação de um grupo. Esta ideia em particular é suficientemente simples e compreensível para apelar às massas. É «cool» e diferente. Não significa que vá redefinir a forma de uma lata de refrigerante, mas não há nada errado em afastar-se do normal e experimentar”.

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico



publicado por blatitudes às 16:57 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Segundo a OpenNet Initiative, os Estados Unidos e a Europa Ocidental têm um nível de censura na Internet mais elevado que alguns países de África e da América do Sul.

 

O estudo, divulgado recentemente, classifica os Estados Unidos, Canadá e Europa Ocidental como tendo “alguma censura”, atribui o nível seguinte, “sob vigilância” a países como a Rússia e Austrália, e coloca a China e alguns países do Médio Oriente na lista dos mais censurados. Entre os menos censurados estão o México e o Chile.

 

A pesquisa analisou também que tipo de conteúdos são os mais censurados, descobrindo que, no topo da classificação, se encontram blogues (20%), seguidos de partidos políticos (19%). Em terceiro lugar, destacam-se as ONGs locais.

 

Um dos grandes problemas desta análise, segundo Zachary Sniderman, da Mashable, é “definir «censura». Por exemplo, impedir a visualização de pornografia infantil e partilha ilegal de ficheiros é considerado, tecnicamente, «censura» muito embora a maioria das pessoas não o considere uma ofensa aos direitos humanos. Seria ingénuo, porém, assumir que toda a vigilância é bem intencionada, especialmente quando aplicada em países que restringem redes sociais ou limitam o acesso à Internet.”

 

As três principais motivações por detrás da censura, segundo este estudo, podem ser observadas, em baixo, num gráfico que identifica alguns dos países que a praticam. Toda a infografia, concebida por Yuxi You, um estudante de design, com base no estudo da OpenNet Initiative e dados dos Repórteres Sem Fronteiras, pode ser visualizada aqui

 

* Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico



publicado por blatitudes às 15:07 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

 

 

 

Não foi a primeira nem a última rede social a surgir na internet, mas nenhuma outra conseguiu mudar o mundo tão radicalmente como o Facebook. Serviu de inspiração a um filme, candidato a 8 Óscares, pôs famílias inteiras a seguir o crescimento de tomates, couves e cenouras virtuais e, agora, poderá bem ser o grande responsável por um fenómeno que vem provar que, definitivamente, estamos na era DF – Depois do Facebook. E nada será como antes.

O relatório anual de 2010 do Bareme Internet, da Marktest, veio revelar que o número de portugueses com mais de 44 anos que acederam às redes sociais o ano passado triplicou, relativamente a 2009, tornando-o o grupo que mais aumentou o consumo destes sites.

 

E que rede social conseguiu multiplicar por 10 (sim, dez) o seu número de utilizadores em Portugal, num único ano? Se disse “Facebook”, parabéns: está certo.  

Goste-se ou não – à semelhança do seu crescimento espantoso, a polémica em torno do Facebook é tudo menos pequena – não há como negar: chegámos à era Depois do Facebook. Em que a vida chega em forma de fotografias, textos ou ligações aos “murais”, os encontros se marcam através de “eventos”, as relações amorosas se atualizam através de uma simples mudança de “estado”, e mostrar a um “amigo” que nos preocupamos é tão fácil como clicar em “gosto”. Em direto e para o mundo inteiro.

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

 

 



publicado por blatitudes às 15:36 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

A Latitudes venceu o concurso, lançado pelo Ministério do Turismo, Indústria e Energia (MTIE) de Cabo Verde, para a criação de um logótipo para a recém-criada Inspeção Geral de Jogos (IGJ).

Divulgado no final do ano passado, o concurso, realizado através da entrega de propostas em envelope fechado, pretendia “selecionar o logótipo da Inspeção Geral de Jogos (IGJ), o qual será utilizado nos seus documentos administrativos, formulários e materiais de divulgação, bem como no respetivo site institucional”.

O escolhido foi, pois, o logótipo que a Latitudes concebeu e que, muito em breve, passará a fazer parte da imagem da IGJ, podendo ser visto por todos. Até lá, resta aos mais curiosos fazerem as suas apostas: garantimos que vale a espera!

 

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico



publicado por blatitudes às 14:48 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

 

 

A última edição dos Prémios Society for News Design atribuiu ao jornal português “i” o título de “jornal mais bem desenhado do mundo”. Entregues anualmente, os prémios SND vão já na sua 32ª edição e são considerados os Óscares na área do design de imprensa.  

"O i é composto como uma bela peça musical. Tem a disciplina para tocar apenas as notas mais altas, que mais importam", justificou o júri, composto por cinco profissionais de comunicação da Alemanha, Estados Unidos, Rússia e Canadá, numa nota que pode ser lida, na íntegra, no site da competição. “O jornal português i destacou-se pela sua capacidade em aproveitar da melhor forma a linguagem visual dos jornais, revistas e outras publicações, e criar algo novo que é mais que a soma das suas partes”, explicam. Entre os muitos louvores feitos ao jornal português, destaca-se a parte em que o júri aborda a capa com José Saramago: “A capa com a ilustração de José Saramago «é fabulosa», disse um jurado. «Só me apetece comê-la. Cada página oferece coisas que nos fazem querer devorá-las.»”

 

A concluir, o júri acrescenta ainda um conselho ao mundo: “Encorajamos todos os designers a aplicarem semelhante criatividade e tenacidade para encontrarem a sua própria voz, expressando-a com convicção e excelência, independentemente do tamanho da sua equipa ou do acesso a outros recursos.”.

 

Recorde-se que, no ano passado, o i tinha já levado para casa 13 prémios SND, incluindo duas medalhas de prata. Este ano, o jornal mais bem desenhado do mundo fala, mesmo, português.

 

 

*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico



publicado por blatitudes às 17:42 | link do post | comentar

Links

Site Oficial
Latitudes - Comunicação Integrada de Marketing

Redes Sociais

twitter facebook delicious flickr
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29


Os últimos blá blás

Ao cyberbullying, os estu...

Comunicação cara a cara c...

Laina: a nova sensação do...

Facebook testa novo forma...

Instagram lança perfis na...

W+K lança série de desafi...

Samsung reafirma lideranç...

As piores passwords de 20...

Quase 9 em cada 10 imagen...

Facebook lança páginas gl...

arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

Networked Blogs
blogs SAPO
Google Analitycs
subscrever feeds