Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012

Imagine que tem um ginásio e deseja lançar uma campanha promovendo-o. Existem muitas imagens que lhe podem vir à cabeça – mas um campo de concentração, provavelmente, não faz parte delas. A não ser que seja um dos responsáveis pela última campanha do The Circuit Factory.

 

O ginásio, localizado no Dubai, lançou uma campanha no Facebook utilizando uma imagem do campo de concentração de Auschwitz, acompanhada pela frase “Kiss your calories goodbye” (“despeça-se das suas calorias”). Segundo o diretor do ginásio, o objetivo seria comparar o ginásio a um “campo de concentração sem calorias, em que os sócios podem solucionar problemas de peso forma eficaz” – assim como os nazis solucionaram o “problema” dos judeus?

 

 

 

 

Os protestos instalaram-se rapidamente na página do ginásio, levando à retirada do post e a um pedido de desculpas. Mas os danos já estavam feitos. Por toda a internet, em diferentes línguas, discute-se o caso do The Circuit Factory. E há quem identifique o erro crasso como sendo tão absurdo que só pode, mesmo, ser intencional… Na verdade, Phil Parkinson, o fundador do ginásio, disse em entrevista que as páginas do ginásio nunca tinham visto tanto movimento: “chegou ao ponto em que tenho medo de não conseguir dar resposta a tantos pedidos”, assumiu.

 

Ainda assim, se o que o ginásio pretendia era um “golpe de génio”, os especialistas alertam para as consequências deste fenómeno que se tem vindo a repetir nos media sociais: não, nem toda a publicidade é boa publicidade. E um pico de atenção e popularidade não compensa, nem por sombras, o valor de se ter uma boa e sólida imagem. “Associar a sua marca ao sofrimento humano como meio de conseguir visibilidade revela um ponto de vista muito limitado e pode ter efeitos muito amplos”, comentou Eileen Wallis, de uma empresa de relações públicas do Dubai. Em Portugal, Carlos Coelho, da Ivity, também se debruçou sobre este caso, considerando-o um exemplo de “falsa inocência”: “É impossível não sentir consciência coletiva. Eles sabiam que iam ofender muita gente.” Sobre as consequências da campanha, o criativo recordou o caso da marca de roupa Bonsai que, após o escândalo envolvendo Pinto da Costa e Carolina Salgado, utilizou a imagem desta última para se promover: “Realmente foi muito falada, mas hoje alguém sabe o que é a Bonsai? Ser falado é fácil, a questão é sê-lo de forma positiva”.

 

Fontes: Açoriano Oriental

             The Huffington Post

 

 

Relacionado: Como arruinar a sua reputação em segundos



publicado por blatitudes às 11:55 | link do post | comentar

Links

Site Oficial
Latitudes - Comunicação Integrada de Marketing

Redes Sociais

twitter facebook delicious flickr
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29


Os últimos blá blás

Ao cyberbullying, os estu...

Comunicação cara a cara c...

Laina: a nova sensação do...

Facebook testa novo forma...

Instagram lança perfis na...

W+K lança série de desafi...

Samsung reafirma lideranç...

As piores passwords de 20...

Quase 9 em cada 10 imagen...

Facebook lança páginas gl...

arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

Networked Blogs
blogs SAPO
Google Analitycs
subscrever feeds