Sexta-feira, 23.03.12

 

Dá pelo nome de Bundlr e é mais uma criação made in Portugal a inovar na internet, à semelhança do Bewarket ou do BrandsBreeze.

 

Desenvolvida por Filipe Batista, Sérgio Santos e Pedro Gaspar, o Bundlr combina as funcionalidades de um motor de pesquisa com a potencialidade de uma rede social, permitindo organizar conteúdos e fazer pequisas na internet com base no que outras pessoas, interessadas no mesmo assunto, arquivam.

 

O Bundlr permite agrupar vários tipos de conteúdos, sejam eles vídeos, fotografias, podcasts ou tweets, em “bundles”, pastas virtuais temáticas, que, a partir daí, podem ser seguidas pelos restantes utilizadores. Atualmente, a rede conta já com 10 mil utilizadores sendo que, desses, apenas um em cada quatro são portugueses.

 

O objetivo é que, daqui a três anos, o Bundlr seja já “uma plataforma de pesquisa e descoberta de conteúdos altamente relevante”.

 

 

Fontes: Marketeer



publicado por blatitudes às 09:58 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.02.12

 

 

 

A Primavera Árabe não mudou só o mundo – mudou, também, a forma como vemos o mundo.

 

Não há dúvida que, desde aí, parte das revoluções sociais ocorre online. Com as redes sociais, os protestantes ganharam um espaço onde a organização se processa em segundos, onde as notícias que as televisões não transmitem chegam a todo o mundo com um simples premir de botão e onde a voz de cada um, num mundo de milhares de milhões, pode ser ouvida sobre a multidão, mesmo a muitos quilómetros de distância – para o melhor e o pior.


Outro tipo de ataque emergiu, também, e aqui o grupo Anonymous assume o papel principal: o hacktivismo. Nunca o mundo tinha assistido a ataques virtuais em tão grande escala, por parte de um grupo de cidadãos anónimos cuja dimensão ninguém conhece ao certo, até porque não há, como o grupo refere, qualquer tipo de “inscrição”. Defensores da liberdade de informação, o grupo tem concentrado os seus esforços em múltiplas direções: sites governamentais, instituições financeiras, páginas de empresas e, até, servidores acusados de alojar pornografia infantil.

Durante a Primavera Árabe, foram frequentes os ataques aos sites oficiais de países como a Tunísia, Egito e Líbia.

 

Agora, o Anonymous divulgou centenas de emails do presidente sírio Bashar al-Assad, à frente do país que, desde março do ano passado, tem vindo a registar confrontos entre governo e oposição, fazendo da revolução síria uma das mais mortais de toda a Primavera Árabe, com mais de 5400 mortos.


Curiosamente, várias contas do presidente sírio e da sua equipa (31 das 78 contas acedidas) partilhavam a mesma password: e uma password tão fácil de adivinhar que até uma criança seria capaz de aceder aos documentos aí armazenados (se conseguisse aceder ao servidor primeiro) – 12345.


Entre os emails divulgados, está um do porta-voz da Síria nas Nações Unidas onde aconselha o presidente quanto à forma de manipular os americanos durante uma entrevista:“É muito importante mencionar que foram cometidos “erros” no início da crise porque não tínhamos uma “força policial” bem organizada. A psyche americana pode ser facilmente manipulada quando ouvem que foram cometidos “erros” e que os estamos a “resolver”. Também vale a pena mencionar aquilo que está a acontecer em Wall Street e a forma como os protestantes estão a ser suprimidos pelas forças policiais, pelos cães da polícia e através da força”.

 

 

Fontes: Mashable

 



publicado por blatitudes às 12:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 07.02.12

O que acontece no Facebook não só fica em todo o lado como, aparentemente, também o pode ficar para sempre. Pelo menos no caso das fotografias.

 

 

É certo que, uma vez colocadas no facebook, todas as imagens podem ser transferidas por outros utilizadores para fins incertos: mas, para além disso, mesmo depois de apagadas, algumas fotografias continuam a estar disponíveis nos servidores da rede. Para aceder às mesmas, basta saber o seu endereço direto.

 

A denúncia foi feita pela primeira vez em 2009, pela Ars Technica, e levou o Facebook a assumir o problema e prometer uma solução para o mesmo. Mas, quase três anos depois, nada mudou: aparentemente, a empresa continua a tentar descobrir uma forma de eliminar de vez as fotos antigas apagadas pelos utilizadores. Segundo o Facebook, estas fotos estão armazenadas num servidor antigo que funcional mal e apenas “uma pequena percentagem de fotos continuam alojadas no velho sistema à espera de serem migradas”. Mas poderá ser, de facto, assim tão difícil?

 

O direito ao esquecimento é um dos temas em debate na revisão da legislação europeia para a proteção de dados. De acordo com esta nova proposta, as empresas que não cumpram a obrigação de retirar completamente da internet os dados apagados pelos utilizadores, serão penalizadas com multas até 2% do seu volume de negócios.

 

 

A segurança online é outro dos temas em destaque hoje graças à divulgação de um estudo levado a cabo pela Microsoft, o Microsoft Computing Safety Índex, que conclui que os portugueses estão dentro da média europeia no que toca a segurança online. Com uma pontuação de 44 pontos em 100, a maioria dos portugueses utiliza um software antivírus (84%) mas não tem quaisquer outros conhecimentos acerca de segurança online. Segundo este estudo, 23% dos utilizadores não tem qualquer noção acerca de como proteger a sua segurança online ou impedir o roubo da mesma e apenas pouco mais de metade (53%) utiliza combinações complexas nas suas passwords (por exemplo maiúsculas e minúsculas, juntamente com números e símbolos).

 

 

 

Fontes: PT Jornal

 

             TeK Sapo 

 

 



publicado por blatitudes às 12:37 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.01.12

 

 

 

 

Ainda são poucos aqueles que já conseguiram espreitar, afinal, o que se passa no interior do Wavii, um novo site comunicado como sendo um agregador de notícias que pretende fazer uma espécie de fusão entre as redes sociais, como o Facebook, e os agregadores de notícias, como por exemplo o Google News.

 

Basicamente, o que o Wavii faz é agregar conteúdos recolhidos a partir de toda a internet e mostrá-los aos utilizadores de acordo com os seus interesses, que são definidos tanto pelo utilizador, manualmente, como a partir dos seus “Gostos” no Facebook. É, aliás, através da sua conta do Facebook que o utilizador faz login no Wavii. O resultado é um feed de notícias bastante semelhante ao do Facebook: só que em vez de ter acesso às notícias relacionadas com os seus amigos, o que o utilizador recebe é um feed dos tópicos que mais lhe interessam.

 

Os tópicos de interesse são agregados em categorias verticais – como Tecnologia e Entretenimento, as únicas atualmente disponíveis, embora o Wavii pretenda, em breve, incluir também Política, Desporto, Música, Cidades e Jogos – dentro das quais se encontram os interesses específicos de cada utilizador. O que o Wavii faz, nessa altura, é tentar eliminar a informação desnecessária e pouco útil em torno de cada tópico, “espremendo o sumo” das informações encontradas na internet e reduzindo os artigos aos factos: “Preocupamo-nos com o que aconteceu. Não queremos saber se a aquisição de uma empresa foi a mais aborrecida de sempre, só nos interessa saber que ocorreu essa aquisição”, explica o fundador da Wavii, Adrian Aoun.

 

 

 

O objetivo é tornar o Wavii uma espécie de “Facebook do Google”: “O feed do facebook provou ser a melhor forma de nos ligarmos e estarmos a par do que se passa com os nossos amigos, mas é limitado aos amigos. Os utilizadores também querem ver o resto da informação dessa forma, quer sejam os seus interesses em política, filmes, cidades ou startups. O Wavii permite que sigam tudo o resto (políticos, celebridades, companhias, produtos, etc). Em vez de verem os check-ins, fotos e atualizações do estado civil dos amigos, recebem notícias acerca da aquisição de companhias, trailers de filmes, etc”.

A informação reunida no Wavii vem de mais de um milhão de fontes online, de modo a gerar conteúdo personalizado para os utilizadores. Além disso, o objetivo é também fazer com que cada novo “post” no Wavii funcione como um despoletador de conversas acerca do que se está a passar no mundo, pelo que o site integra, também, uma função de conversação.

 

 

 

 

 

Fontes: Techcrunch



publicado por blatitudes às 12:01 | link do post | comentar

Links

Site Oficial
Latitudes - Comunicação Integrada de Marketing

Redes Sociais

twitter facebook delicious flickr
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29


Os últimos blá blás

Portugueses criam platafo...

Anonymous divulga centena...

Segurança online e o dire...

Wavii - uma nova forma de...

arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

Networked Blogs
blogs SAPO
Google Analitycs
subscrever feeds